YouTube HDTV

Loading...

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Trânsito Inteligente

Como chegaremos do ponto A hoje até o ponto B amanhã

Congestionamentos

Em Moscou, os motoristas relataram uma média de atraso de duas horas e meia quando solicitados a comentarem a extensão do pior congestionamento pelo qual passaram nos últimos três anos.Mas eles não são os únicos.
Cidades em todo o mundo estão lutando contra um aumento na demanda e uma incapacidade de construir uma infraestrutura suficiente para enfrentar a situação. Por exemplo, nos EUA, enquanto a população cresceu quase 20% entre 1982 e 2001, o tráfego aumentou 236%.

O recente IBM Commuter Pain Study (US) (Estudo do Sofrimento do Usuário de Transporte da IBM) traça um quadro sombrio do usuário de transporte na área metropolitana de várias cidades que estão lutando para ir e voltar do trabalho todos os dias, muitas vezes com consequências negativas.Por exemplo, 57 por cento de todos os entrevistados disseram que o tráfego viário tem afetado sua saúde de forma negativa, mas essa porcentagem dispara para 96 por cento em Nova Delhi e para 95 por cento em Pequim.
IBM Commuter Pain Index (Índice de Sofrimento dos Usuários de Transporte)

A IBM compilou os resultados de uma pesquisa em um Índice que classifica o preço emocional e econômico dos trajetos em cada cidade, em uma escala de um a 100, sendo 100 a mais cara.O Índice revela uma enorme disparidade de sofrimento no transporte diário de uma cidade para outra. Por exemplo, o transporte em Pequim gera quatro vezes mais sofrimento que o transporte em Los Angeles ou Nova York, e sete vezes mais sofrimento que o transporte em Estocolmo, de acordo com o Índice.


Veja a comparação entre as cidades:

A pesquisa foi realizada para entender melhor o pensamento do usuário em relação a congestionamentos, à medida que a questão alcança proporções de uma crise de nível nacional, e níveis mais altos de emissões por automóveis despertam preocupações em relação ao meio ambiente.Esses eventos estão impactando comunidades em todo o mundo, onde governos, cidadãos e organizações do setor privado estão procurando além das soluções tradicionais, como vias adicionais e maior acesso ao transporte público, para reverter os impactos negativos do aumento dos congestionamentos viários.

Melhorando a mobilidade para o século XXI

Samuel J. Palmisano, el presidente de IBM, se dirige a los miembros de la Intelligent Transportation Society of America acerca de las oportunidades para un sistema de transporte más inteligente.


Os sistemas de tráfego fazem parte de um sistema mais amplo

Repensar como chegamos do ponto A ao ponto B significa aplicar nova tecnologia e novas políticas para velhos hábitos e suposições.




Um sistema de tráfego inteligente (US) ajudou a cidade de Estocolmo a reduzir o engarrafamento em 20%, as emissões em 12%, e aumentar o uso do transporte público de forma significativa.








Uma pesquisa recente com passageiros mostrou horas de sono e de trabalho perdidas e o enorme sofrimento causado por problemas de congestionamento. Em algumas cidades, cerca de metade dos entrevistados disse que o atual trânsito aumentou seus níveis de estresse.





Tráfego (US) foi um dos temas da conferência Global Innovation Outlook da IBM, na qual algumas das mentes mais brilhantes do mundo foram solicitadas a falar sobre como podemos melhorar nossos carros, nossas estradas e ruas, nosso transporte público e como podemos transportar nossas mercadorias.


Trânsito Inteligente 




Transporte inteligente (US)significa sistemas melhores para transporte rodoviário, aéreo, público e de carga. Eles podem melhorar nossas cidades, nossa economia e nossas vidas cotidianas.




Confira quais talentos de TI serão mais procurados


Pesquisa da Computerworld mostra nove áreas que deverão liderar as contratações nos próximos 12 meses.


Lenta mas consistentemente, muitas empresas dos EUA estão voltando a investir na contratação de profissionais de TI para reforçar o crescimento dos negócios no próximo ano. Essa tendência é refletida na pesquisa anual da COMPUTERWORLD. Quase 29% dos 353 executivos de TI entrevistados disseram que planejam aumentar sua equipe. Um crescimento de 23% em comparação ao estudo de 2010. Ou de 45%, se comparado às expectativas de contratação nos últimos dois anos.
E quais são os profissionais mais procurados? Os entrevistados disseram que essas nove habilidades estão em alta.
1. Programação e Desenvolvimento de Aplicativos
- 61% disseram ter planos de contratar nos próximos 12 meses, ante 44% na pesquisa de 2010.
Esse salto de um ano para o outro não chega a surpreender, segundo John Reed, diretor-executivo da empresa de recrutamento e seleção Robert Half. "Desenvolvimento web continua a ser muito forte", diz ele. Mas cresceu também a procura por desenvolvedores de tecnologias móveis que possam melhorar o acesso dos clientes à empresa via smartphones.

2. Gestão de projetos
- 44% têm plano de contratar nos próximos 12 meses, ante 43% na pesquisa de 2010.
Grandes projetos precisam de gerentes, mas eles também precisam de analistas de negócios que possam identificar as necessidades dos usuários e traduzi-las para os funcionários de TI. "A demanda tem sido mais para analistas de negócios do que para os gerentes de projetos", diz Reed. Em outras palavras, aqueles que podem ajudar a entregar os projetos em vez de meramente supervisioná-los e monitorá-los.
3. Help Desk/Suporte Técnico
- 35% pretendem contratar nos próximos 12 meses, ante 43% na pesquisa de 2010.
Enquanto a tecnologia for usada no local de trabalho, haverá a necessidade de funcionários de apoio, sejam eles internos ou remotos. E os sistemas operacionais móveis "estão acrescentado uma nova dimensão ao help desk e ao suporte técnico", diz David Foote, CEO da consultoria Foote Partners.

4. Networking
- 35% planejam contratar nos próximos 12 meses, ante 38% na pesquisa de 2010.
Segundo a Robert Half, a demanda por profissionais de TI com habilidades de rede continuará em alta nos próximos trimestres. Essa demanda tem sido alimentada, em parte, pela virtualização e projetos de computação em nuvem. Quanto a certificações, nesse segmento, especificamente, elas são importantes, mas "não estão dirigindo o mercado".
5. Business Intelligence
- 23% devem contratar nos próximos 12 meses, acima de 13% na pesquisa de 2010.

O pequeno aumento indica uma mudança do foco na redução de custos para o investimento em tecnologias que forneçam acesso a dados em tempo real, melhorando as tomadas de decisão de negócios. Tem apenas um problema: o custo do profissional qualificado. Em países como o Brasil ele é muito alto.

6. Data Center
- 18% vão contratar nos próximos 12 meses, ante 21% na pesquisa de 2010.
Como na área de redes, as operações de data center também estão sendo impactadas pela virtualização das organizações e as estratégias de nuvem. Em particular, aumentou a demanda por profissionais de TI com experiência em operações de data center e integração de sistemas. Além disso, as exigências de ter dados disponíveis para alcançar os níveis de garantia de serviços de TI enfatizam a necessidade de pessoas especilaistas em recuperação de desastres e continuidade de negócios. As empresas precisam garantir que os sistemas vão estar disponíveis quando os usuários precisarem deles.
7. Web 2.0
- 18% pretendem contratar nos próximos 12 meses, ante 17% na pesquisa de 2010.
Habilidades técnicas centradas em torno das mídias sociais permanecem com alta demanda, hoje, com indústrias procurando formas de integrar as tecnologias Web 2.0 em suas infraestrutura. Profissionais que dominem .Net, AJAX e PHP, bem como HTML, XML, CSS, Flash e Javascript, entre outros, estão entre os mais procurados.

8. Segurança
- 17% vão contratar nos próximos 12 meses, ante 32% na pesquisa de 2010.
A queda de um ano pode ser surpreendente, dado que as ameaças de segurança da informação foram crescentes este ano, mas a segurança é uma preocupação para muitas organizações, especialmente aqueles que estão considerando a computação em nuvem como parte de suas estratégias de TI, diz Reed.
9. Telecomunicações
- 9% têm planos de contratar nos próximos 12 meses, contra 17% na pesquisa de 2010.






Distribuição de Alimentos mais Inteligentes


A tecnologia está redefinindo como eles devem ser cultivados, que gosto terão e como chegarão ao seu prato.

Um apetite saudável por Inovação


Os alimentos são de fundamental importância para o mundo. E nossa relação com eles vem mudando a cada ano. Dez anos atrás, a grande preocupação da maior parte dos consumidores era comer uma dieta de baixa caloria. A biotecnologia tinha uma aplicação muito limitada e era até considerada um tanto perigosa. Poucas eram as pessoas que sabiam o significado da palavra “orgânicos” ou porque isso era importante.
Hoje, o quadro é outro e envolve desafios maiores. O preço dos alimentos sobe sem parar. A escassez provoca agitações pelo mundo afora. E, a cada ano, 10 milhões de pessoas morrem de fome ou de doenças relacionadas à fome. Ao mesmo tempo, os consumidores estão cada vez mais ávidos por informações a respeito daquilo que comem, estão mais bem informados sobre nutrição e mais conscientes dos impactos ambientais e sociais de tudo o que compram. Na verdade, de acordo com uma pesquisa do IBM Institute for Business Value, dois em cada cinco consumidores nos Estados Unidos e no Reino Unido informam que sua preocupação quanto à segurança é o que determina que alimentos eles vão – ou não vão – comprar.
Mas o que a IBM tem a ver com alimentos? Tecnologia dos alimentos.
Quando o ciclone Nargis atacou, em maio de 2008, a população de Myanmar (antiga Birmânia) perdeu cerca de um terço de todo o seu suprimento de arroz. Investigadores nos Estados Unidos se horrorizaram com um misterioso surto de salmonela que infectou mais de 1300 pessoas. O incidente custou mais de 100 milhões de dólares aos plantadores de tomate. Esses eventos ilustram a vulnerabilidade da cadeia de suprimento de alimentos, bem como a fragilidade do suprimento de alimentos em geral.
Utilizando tecnologias digitais e poderosas soluções inovadoras, a IBM está fazendo com que os alimentos possam ser rastreados adequadamente, ao passar através de uma cadeia global de suprimentos cada vez mais complexa. E, por meio da pesquisa biológica, a IBM está também ajudando a fazer com que os alimentos sejam cada vez mais saudáveis.
O futuro dos alimentos começa hoje.




Melhores grãos
O arroz é o alimento principal de mais da metade da população mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação), 20% do total de energia consumida pela população via alimentos provém do arroz. Que tal, então, se a tecnologia de alimentação pudesse fazer um arroz ainda mais nutritivo?
Primeiro, teríamos que estudar as estruturas das proteínas que constituem o arroz. O Computational Biology Research Group da Universidade de Washington desenvolveu um software ultramoderno que faz exatamente isso. Mas com 30 a 60 mil diferentes estruturas de proteínas, nem mesmo uma dúzia de computadores poderia dar conta de tamanha tarefa. Foi por isso que os pesquisadores se conectaram à World Community Grid da IBM (Rede Mundial de Computação).

Com um poder de computação de 167 teraflops, a Rede Mundial de Computação pode alavancar o poder disponível – que de outra forma não estaria sendo utilizado – de cerca de 1 milhão de computadores individuais. Usando a rede, o projeto vai poder ser concluído em menos de dois anos – contra os 200 anos que seriam necessários usando sistemas de computação mais convencionais.

O que faz um alimento gostoso são os genes

Poucas coisas são tão apreciadas quanto uma barra de chocolate. Mas há toda uma ciência por trás dessa coisa tão simples e gostosa.
Nos últimos anos, o setor de cacau foi atingido por uma série de doenças fúngicas, altamente destrutivas, que deram aos plantadores em todo o mundo um prejuízo estimado em 700 milhões de dólares por ano. O IBM Research, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e a Mars Incorporated estão se unindo e indo direto à fonte. Através dessa colaboração, eles esperam sequenciar o genoma do cacau, o ingrediente-chave do chocolate.

Os pesquisadores pretendem utilizar a tecnologia e a experiência em biologia computacional da IBM para desenvolver um detalhado mapa genético do cacau, identificando as características genéticas específicas que produzem as árvores de maior rendimento e melhor resistem à seca e às pestes.
Mas, como acontece com qualquer outro prazer, os resultados dessa pesquisa serão melhores quando forem compartilhados. A Mars vai tornar a informação sobre o genoma disponível gratuitamente, através do Public Intellectual Property Resource for Agriculture (PIPRA), que promove a inovação na agricultura, seja para com objetivos humanitários ou para ajudar empreendimentos comerciais de pequeno porte.

Você sabe por onde isso andou?
Ração animal. Alface. Manteiga de amendoim. Papinha de bebê. Leite. Esses são apenas alguns dos recalls importantes que vimos no ano passado. Os consumidores em todo o mundo estão preocupados – e com razão. Eles se perguntam, esse produto é seguro? E de onde ele veio?
Tecnologias de acompanhamento e rastreamento, incluindo códigos de barra em 2D e 3D, bem como identificação por radiofrequência (RFID), oferecem transparência “do campo ao prato” e procuram atender às preocupações dos consumidores quanto à segurança. Mas não é só o item segurança que está promovendo a inovação nesse espaço. Regulamentações governamentais e as exigências do setor quanto à qualidade e rastreabilidade estão fazendo com que os produtores de alimentos em todo o mundo forneçam maiores detalhes sobre seus produtos. Com uma cadeia de suprimentos cada vez mais globalizada, esses detalhes precisam ser abrangentes e confiáveis. E, junto com esses detalhes, as empresas podem também agregar mais valor, tal como uma cadeia de distribuição mais eficiente e menores taxas de perda por deterioração. Na verdade, os setores de produtos de consumo e de varejo perdem por ano cerca de 40 bilhões de dólares, ou 3,5% do total de suas vendas, devido a ineficiências em suas cadeias de suprimentos.