YouTube HDTV

Loading...

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Nuvem Mais Inteligente

Antigamente, as estações de trabalho eram conectadas a um mainframe. Hoje, elas conversam com uma nuvem.

Conservar energia. Consolidar recursos. Tornar a informação segura e disponível, onde e quando necessário. Com imperativos como esses, temos que ser mais inteligentes sobre como acessar, processar e armazenar dados.

Isso significa pensar além do computador e para fora dos nossos próprios centros de dados. Pensar a respeito de formas mais inteligentes de lidar com os 15 petabites de novas informações que geramos a cada dia e no colossal aumento no número de dispositivos conectados que utilizamos para trabalhar com esses dados. Dados que são otimizados para as cargas de trabalho notavelmente diversificadas que as empresas, organizações e governos gerenciam.
A hora é agora para uma plataforma projetada para uma computação eficiente e eficaz em amplos espaços abertos... em outras palavras, em todo lugar. Está na hora de pensar em nuvem.
As vantagens da computação em nuvem – acessar os seus dados e aplicações armazenadas em hardware remoto via internet, em vez de mantê-los todos na sua estação de trabalho local – ainda exigem, para muitos, uma certa ginástica mental. Mas, agora que a estação de trabalho pode ir a qualquer lugar, sob a forma de um smartphone, um despojado notebook ou mesmo uma leitora de e-books, a computação em nuvem é praticamente como se fosse um computador virtual operando em conjunto com um servidor virtual. Se o usuário pode estar em qualquer lugar, o mesmo pode acontecer com a fonte dos dados e aplicações.
A equação da nuvem agrega a flexibilidade para aumentar ou diminuir a largura de banda, como você quiser, à acessibilidade de um serviço pago à medida que você o usa, e diminui itens de hardware, comedores de energia, do seu ambiente local. Inclua-se aí também a segurança e experiência da IBM, que estão presentes em cada um dos principais centros globais de computação em nuvem e em milhares de nuvens empresariais privadas. O resultado: um enfoque instrumentado, interconectado e inteligente a uma computação em nuvem mais inteligente.
Clientes, empregados e parceiros falam sobre as razões pelas quais escolheram a IBM para implementar em suas organizações um modelo virtual de computação com servidores em nuvem.
http://www.ibm.com/smarterplanet/br/pt/cloud_computing/ideas/index.html#overlay-mov-video-1
Tudo isso se junta no portfólio em nuvem IBM Smart Business (US) que apresenta o primeiro conjunto de serviços e produtos integrados em nuvem voltados para a empresa. O portfólio incorpora sofisticada tecnologia de automação e autosserviço para tarefas tão diversas como desenvolvimento e teste de software, gerenciamento de computadores e dispositivos, e colaboração. As ofertas incluem:
  • IBM Smart Business padronizado e serviços em nuvem privados para o desenvolvimento e teste de produtos de software seguros e escaláveis.
  • Opções de IBM Smart Business Desktop para desktops virtuais
  • Servidor IBM CloudBurst server (US) com armazenamento, virtualização, redes integradas e sistemas de gerenciamento de serviço embutidos.


Educação mais Inteligente


Se o nosso planeta fosse uma grande sala de aula de matemática, os Estados Unidos seriam um aluno medíocre sentado no fundo da sala.

Dentre 30 países, os EUA obtiveram a 25ª colocação em matemática e a 24ª em ciências*.

Nunca houve época mais propícia para tornar os nossos sistemas educacionais mais inteligentes. Escolas e sistemas avançados de ensino estão sofrendo com os cortes orçamentários. A demanda por trabalhadores competentes com conhecimentos especializados está crescendo a 11% ao ano. Muitos postos de trabalho vão exigir treinamento pela vida inteira e uma permanente atualização. E o setor de educação se tornou cada vez mais complexo e difícil de quantificar, à medida em que os estudantes buscam uma variedade de caminhos alternativos de aprendizagem (US).

Um dos desafios é que nossos sistemas educacionais precisam ser mais sistêmicos, por assim dizer. Nos EUA há mais de 15.000 distritos escolares independentes e mais de 4.000 instituições de ensino superior, a maioria com objetivos e processos administrativos próprios. Na China há aproximadamente 500.000 escolas de nível primário e médio, muitas delas responsáveis pela administração da sua própria infraestrutura. Essas redundâncias criaram enorme ineficiência, inflando custos e criando silos de recursos.

A boa notícia é que houve avanços nas tecnologias de educação – computação em nuvem, sistemas de fonte aberta, virtualização, análise de dados – que podem ajudar os nossos sistemas educacionais a renovar infraestruturas obsoletas, dando-lhes uma nova funcionalidade. Eles podem se tornar mais interconectados, mais instrumentados e mais inteligentes. Em resumo, mais inteligentes. E isso já está acontecendo.
*Fonte: Organization for Economic Co-operation and Development, The Program for International Student Assessment, Ratings, 2006