YouTube HDTV

Loading...

sábado, 19 de novembro de 2011

Analítica e Otimização de Negócios

Como estamos tomando decisões melhores por meio de uso mais inteligente dos dados
Decisões informadas

São melhores que adivinhação, mais precisas que a intuição, a substância do grande insight. Mas em épocas acionadas por dados, o processo de tomada de decisão pode ser atrapalhado pelo excesso de informações.
Felizmente, estamos enfrentando o desafio com Analítica e Otimização de Negócios (US) ou BAO. Analítica e Otimização de Negócios refere-se a tomar o controle das informações, extrair insights acionáveis e direcionar a agenda para prever e dar forma aos resultados dos negócios. Software, serviços e soluções de gerenciamento das informações, gerenciamento do conteúdo corporativo e analítica de negócios podem ajudar a organizar e processar a barragem de dados e conteúdo gerada pelas fontes tradicionais e pelos sistemas avançados.
Muitos líderes de negócios estão tornando a Analítica e Otimização de Negócios uma alta prioridade. Descubra como ela ajuda as organizações a usar o poder do insight para dar forma aos resultados dos negócios em "Business Analytics and Optimization: the new competitive edge (PDF, 1.34MB)." Estudos como o do IBM Institute for Business Value Analytics: The new path to value (US) mostram que as organizações acionadas por analíticas superam seus concorrentes.

Não é o seu QI, é o seu QA que importa

Seja lucro e crescimento ou risco e ROI, as organizações que adotam analítica de negócios superam as organizações semelhantes em toda métrica de importância. Agora existe um modo de saber se você está usando bem as analíticas e como usá-las para obter impacto ainda maior.
É chamado de "Quociente de Analítica" ou QA. Ele mede o seu preparo para aplicar insight à sua estratégia, processos e táticas; a rapidez com que você consegue realocar recursos e reorientar seu pessoal para tomarem melhores decisões; e com que eficiência você pode agir com base no desempenho passado, nos resultados atuais e nas possibilidades futuras.
Quanto mais você adotar analíticas, mais alto o seu QA. Quanto mais alto o seu QA, melhor os resultados de negócios. Responda o Questionário de QA (US) agora para saber a sua posição.
Participe de um resumo de instruções em DCBerlimTóquio ou Zurique. Para programar resumos de instruções em Londres ou Pequim, entre em contato comAngelia Smith (Dallas), Tess Moffett (Londres) ou Jin Dong (Pequim). Ou você pode participar de um resumo de instruções virtual no nosso Virtual Analytics Solution Center (link resides outside of ibm.com).
Respondendo perguntas como os humanos fazem A IBM desenvolveu um sistema de computador chamado "Watson,"que estreou em um grande palco na apresentação de jogos Jeopardy! As tecnologias subjacentes em Watson também são encontradas nos recursos de Analítica e Otimização de Negócios, o que permite que as inovações de Watson sejam aplicadas para resolver problemas de negócios e da sociedade, por exemplo, diagnosticando doenças, tratando questões de suporte técnico on-line e analisando enormes quantidades de documentos jurídicos, e para estimular o progresso em muitos segmentos de mercado.
A consolidação de dados acelera os serviços sociais para quem precisa mais
Acesso mais rápido aos serviços, redução do tempo de processamento e melhor detecção de fraudes são apenas alguns dos benefícios que a Alameda Social Services Agency (US) ganhou usando a analítica da IBM para fornecer aos assistentes sociais uma visão consolidada todos os benefícios ao cliente em seis programas de serviços sociais diferentes.
Mantendo 100 milhões de clientes felizes
Bharti Airtel (6:07min) trabalha de maneira mais inteligente com diversas ofertas IBM, fornecendo serviços sem falhas a 100 milhões de clientes com margens baixas, melhorando a produtividade dos funcionários com o uso de monitoramento da atividade de negócios e produzindo respostas em tempo real às solicitações dos clientes.
Usando a voz do cliente para estimular mudança nos negócios
Usando o software IBM Content Analytics junto com uma solução de identificação baseada em sentimento do Parceiro de Negócios IBM, Mindshare Technologies, Hertz (US)introduziu o sistema de analítica "Voz do cliente" que captura automaticamente as experiências de clientes em tempo real, transformando as informações em inteligência acionável.
Segmentos de Mercado
Financeiro Melhore as experiências dos seus clientes, os tempos de resposta internos e os serviços consultivos com insights de negócios reais.

Produtos químicos e petróleo Gerencie melhor as interações regulamentares, gerencie a dinâmica da mão de obra e cultive relacionamentos globais.

Comunicações Obtenha entendimento mais claro do comportamento do cliente com relação a novo produto, serviço e designs de pacotes configuráveis.

Produtos de consumo Use ferramentas de analítica de negócios e informações confiáveis para gerenciar melhor seus negócios em face à complexidade crescente.

Eletroeletrônico Aumente o foco no gerenciamento do ciclo de vida das informações do seu produto com visualização agregada das informações corporativas.

Energia e utilidade públicaExplore as informações operacionais, de rede e do cliente como um recurso estratégico com ferramentas de analítica de negócios.

Governo Responda às forças de mudança e aproveite melhor os insights para gerenciar as expectativas de serviços e resultados.

Assistência médica Use informações e aplique analítica de negócios para aprimorar o atendimento ao paciente e agilizar as operações em geral.

Seguros Use informações e analítica de negócios para ser mais competitivo, atrair novos clientes e inspirar lealdade.

Varejo Transforme a maneira como coloca produtos nas prateleiras e comercializa e se envolve com os clientes, usando insights de negócios.


Casos de Referência de Destaque
Analítica e o Planeta Mais Inteligente Saiba como um Quociente de Analítica (QA) mais alto está ajudando os líderes de segmentos de mercado a responder questões de negócios complexas, aumentar os lucros e superar a concorrência.

Combatendo o crime com dados O departamento de polícia de Memphis analisa padrões de crimes para desenvolver estratégias efetivas para reduzir o crime e ao mesmo tempo otimizar os recursos da polícia.

Dados do cliente impulsionam a reinvençãoKraft Australia redirecionou seus esforços de identificação de marca com a ferramenta de ponta da IBM para análise da reputação e da marca corporativa (COBRA).

Advanced Case Management possibilita um hospital mais saudávelUm hospital de South Dakota está usando recursos de analítica e gerenciamento de casos avançado para prever melhor as necessidades do paciente e melhorar o atendimento.

Analítica Mais Inteligente, uma fatia por vezes Saiba como Papa Gino's aumentou a visibilidade nos seus 275 restaurantes - de orçamentos e custos de mão de obra a tempo de entrega das pizzas, uso de cupões e velocidade de resposta ao telefone.

Mais alguns passos para a era pós-PC


Depois de apresentar o iPad ao público, foi assim que Steve Jobs nomeou o futuro da nossa tecnologia: a era pós-PC. Apesar de muitos lerem isso e já ficarem furiosos para defender a plataforma que usam, eu explico: não se trata de qual máquina você tem em mãos, mas sim como ela poderá ser usada daqui pra frente.
“Quem precisa de um computador em casa?” Essa foi a suposta reação da IBM ao ver uma proposta de computadores pequenos e pessoais. As máquinas eram assim, na combinação entre códigos e circuitos para aqueles (poucos) que conseguiam usá-las. Foi nesse momento da história da tecnologia, em 1984, que o primeiro Macintosh apresentou sua interface gráfica — subtituindo as muitas linhas de comando por ícones, pastas e seus demais elementos visuais — somada ao grande facilitador, o mouse. Enquanto você está lendo esse post, agradeça a esse momento com muito carinho! :-)
Quase três décadas depois disso…
Há algumas semanas, a Apple liberou em seu site uma página intitulada “A celebration of Steve’s life” — em português, “Uma celebração da vida de Steve” — com o vídeo oficial da grande homenagem feita ao eterno CEO da Apple no campus da empresa, em Cupertino. Entre muitas partes comoventes, o trecho que quero citar fez parte do discurso de Al Gore sobre a relação entre humanos, máquinas e, é claro, a influência de Jobs nessa combinação.
O político estadounidense comentou sobre como pessoas afirmaram amar os produtos da Apple nas mensagens enviadas para o memorial. E, como ele mesmo apontou, relacionar um sentimento humano (principalmente o sentimento de amar) com tecnologia é um assunto um pouco delicado. A ficção científica que conhecemos está repleta de histórias que colocam as máquinas como vilões frios, 100% racionais e prestes a dominar o mundo; Entretanto, poucas vezes elas são retratadas com algum tipo de emoção ou ligação humana.
Ainda no discurso, Al Gore citou uma conversa com o quase recém-nascido Siri. A pergunta foi “Siri, você me ama?” e a resposta… “Eu respeito você.” — Hehe!
Essa breve conversa ilustra bem a ideia que quero passar aqui. Siri, o assistente pessoal do iOS, é a mais recente tentativa — e talvez a maior até o momento — de humanizar uma máquina. E isso não significa simular sentimentos, como num imaginário do passado, e sim aproximar cada vez mais as máquinas de seus usuários. Se até pouco tempo esses comandos por voz eram frios e diretos, Siri pode ser um primeiro passo para um tipo de interação maior que qualquer tecnologia que já conhecemos.
[Créditos da imagem ao lado: Bruno Carvalho]

Uma das recomendações que a Apple dá aos desenvolvedores é que seus apps não tenham “cara de computador” e até o gerenciamento de arquivos no novo Mac OS sofreu mudançaspara ficar mais simples. Como consequência desses e de outros fatores, vemos idosos (que sempre disseram não gostar de computador) com iPads em mãos, navegando, jogando e consumindo conteúdo como loucos. Vemos até gatos interagindo com interfaces digitais! Apesar de o nosso querido mouse ter sido uma das maiores bençãos tecnológicas (e ainda ser importantíssimo), só agora aprendemos que nem tudo se resume ao clique.

Por falar em clique, lembram quando dei minha opinião sobre o uso do Flash?
“A ideia não é ser anti-Flash, escolher um lado e partir para o ataque, mas sim dar uns puxões de orelha aqui ou ali para que, de alguma forma, ele ganhe melhorias. […] o Flash não está ameaçado por culpa do iPhone, nem da Apple, nem da Microsoft, […] tampouco por culpa de posts como este. Ele está ameaçado porque cavou sua própria cova quando não soube se atualizar e acompanhar a web, enquanto outras tecnologias e profissionais o fizeram. Será que a resposta da Adobe vai continuar literalmente no papel?” — Para o post completo sobre a minha opinião, confira “Preparem suas pedras, vim falar sobre o Flash”.
Já sabemos a resposta oficial da Adobe. Em vez de trabalhar nessa adaptação (e melhoria) de seu produto, o Flash Player foi descontinuado para o mundo mobile. Quando máquinas evoluem numa velocidade tão insana como a que estamos acompanhando, hardware e software que fazem parte da brincadeira não podem ficar parados e precisam acompanhar os passos rápidos.

“Quem precisa de um computador em casa?”
Hoje não só precisamos como temos eles por todas as partes: em casa, na mesa, na mochila, no bolso e, é claro, nas mãos. Não é só o mouse e o teclado que temos à disposição, mas também podemos arrastar, subir, descer e girar com os dedos. Usabilidade e acessibilidade nunca tiveram uma importância tão grande como agora e isso só tem a acrescentar na nossa experiência, como usuários.
Antes, num tempo nem tão distante, computador era aquela coisa que tinha no trabalho, que exigia cursos, que irritava constantemente, que ocupava espaço, que precisava ser reiniciado várias vezes ao dia, e até que precisava de uns tapas pra funcionar — e é essa a imagem que vejo mudar a cada dia. Máquinas não devem mais causar frustração e infelizmente muitos fabricantes e desenvolvedores ainda não perceberam isso.
Siri está em sua fase beta e já virou amigo(a) de tantos… Para onde vai caminhar essa conversa entre hardware, software e pessoas? A era PC (vendo por essa perspectiva) durou quase três décadas. Todavia, penso que essa transição para uma “nova era” não levará tanto tempo para se espalhar em nosso cotidiano. Só espero que o/a tal assistente pessoal não se volte contra nós e tente dominar o mundo como sugere a ficção! :-P


Fonte: globo.com